domingo, março 12, 2006

"O erro nada tem de estranho. É o primeiro estado de todo o conhecimento."

Erros, enganos, miragens, lorotas, asneiras, mal-entendidos, qüiproquós, disparates, contra-sensos, inexatidões, desvarios, falsidades, despropósitos, imperícias, ratas, balbucios, desvios, absurdos, engodos, quimeras, ilusões, alucinações, cegueiras, visagens, chacotas, patranhas, extravagâncias, trapalhadas...

Todas essas palavras são, em princípio, o contrário dos fatos, da ciência.

É claro que os pesquisadores se enganam às vezes. Mas a história e o ensino das ciências nunca deram muita importância a isso. Nos livros didáticos estão expostos os resultados, não a maneira como foram obtidos. Nos relatos históricos fala-se dos sucessos, das conquistas dos gênios a serem mostrados como exemplo. Quantos ao erro, esse subproduto nauseabundo, não se toca nele, ou então só toca bem de longe.

Aqui nós estamos em terreno delicado, escorregadio, sem visibilidade, repleto te águas turvas, de areias movediças, de armadilhas terríveis: os erros de nossos dias.

No momento em que escrevo, muitos erros estão sendo cometidos. É fatal, é obrigatório, inevitável e necessário a própria existência da ciência.

Você tem medo de errar? Todo mundo tem. Homens, mulheres, presidentes, governos inteiros. O que aconteceria se, cada vez que cometêssemos um erro, desistíssemos de tudo? Se, logo na primeira tentativa fracassada, entregássemos os pontos?

Imagine um bebê que mal consegue pôr-se de pé e já torna a cair. Que seria dele se, diante desse primeiro erro, concluísse: “É, não deu certo. Deve haver algum outro modo... Essa minha idéia não foi boa?”.

Imagine na escola, um aluno que desistisse de tudo, mal erra o primeiro problema de matemática de sua vida. Não conseguirá sequer acertar o troco no supermercado. E, daí, milhões de pequenas coisas que nunca mais poderá fazer.

Errar é uma etapa essencial no processo de crescer e cada vez que desistimos de alguma coisa, por medo de errar, estamos nos privando de algum – ou de muitos! – dos prazeres de crescer e de viver.

Evidentemente, seria possível raciocinar pelo absurdo: Se é errando que se aprende, quanto mais erros melhor: aprendemos mais. Não é isso!!!
O que estou dizendo – sem medo de errar! – é que usar o risco de cometer erros como pretexto para não lutar pelo que se deseja é ignorância, pura e simples.

Os erros que cometemos ao longo da vida são parte essencial de nossa educação. A cada queda, é preciso sacudir a poeira e dar a volta por cima. Tudo o que sabemos, hoje, aprendemos com os erros do passado, com gerações e gerações de gênios que erraram muito, até acertar.

Valorizemos nossos erros, um por um, e todos os que cometemos, e aprendamos a ver, nos erros que ainda haveremos de cometer, a nossa chance de descobrir algo de novo.

Erremos, mas por tentar!

Um comentário:

edgibson32480246 disse...

While you read this, YOU start to BECOME aware of your surroundings, CERTIAN things that you were not aware of such as the temperature of the room, and sounds may make YOU realize you WANT a real college degree.

Call this number now, (413) 208-3069

Get an unexplained feeling of joy, Make it last longer by getting your COLLEGE DEGREE. Just as sure as the sun is coming up tomorrow, these College Degree's come complete with transcripts, and are VERIFIABLE.

You know THAT Corporate America takes advantage of loopholes in the system. ITS now YOUR turn to take advantage of this specific opportunity, Take a second, Get a BETTER FEELING of joy and a better future BY CALLING this number 24 hours a day.
(413) 208-3069